16 de nov de 2016

em são paulo
nuvens ornamentais,
de natalia barros







somos instantes,
de claudia sehbe


A poeta e artista visual Cláudia Sehbe lança este mês seu primeiro livro, Somos Instantes, pela Editora Olhares. A publicação chega às lojas no dia 24 de novembro, com evento de lançamento na Prince Books, à Rua Oscar Freire, 1128. Sua poesia contemporânea trata de temas intimistas, delicados e arrebatadores, como aborto, estupro, feminismo. E também poemas cotidianos e de amor.

Cláudia sempre escreveu, mas decidiu reunir seus trabalhos antigos e recentes em um livro depois de passar um ano em Nova York. "Foi um tempo de imersão. De olhar para o humano, de encontrar a minha arte sem procurar técnica ou algo do tipo. Foi um tempo de conhecer e trocar com outros artistas, visitar exposições, escrever e me descobrir. Muito do livro foi escrito lá". No ano passado, Claudia voltou ao Rio e fez sua primeira exposição na Ocupação Mauá, durante a ArtRio, onde colocou seus versos em instalações artísticas num galpão abandonado do Centro do Rio, ao lado de nomes como Carlos Vergara, Raul Mourão, Vik Muniz e Zanini de Zanine.

 
A sua poesia já vem impactando os cariocas desde o ano passado, quando ela mesma, com um estêncil, espalhou as palavras "Somos Instantes" pelos muros da cidade (foto).  Seus versos também inspiram seus trabalhos no campo das artes visuais.

 
Sobre a artista
Cláudia Sehbe nasceu no Rio Grande do Sul, em 1984. Morou em Nova York, onde aprofundou sua produção poética. Hoje, vive no Rio de Janeiro e desenvolve um trabalho que une poesia e artes visuais.

Serviço
Lançamento do livro Somos Instantes
Dia 24 de novembro, às 19h
Prince Books
Rua Oscar Freire, 1128 - Jardins




encontro com o escritor
nelson de oliveira e seus alter egos


Conversa com o público sobre a rapsódia Distrito Federal e pré-lançamento da novela Não chore, de Luiz Bras. Dia 17 de novembro, quinta-feira, às 19h, no Club Athletico Paulistano: R. Honduras, 1400 - Jardim Paulista.




não chore,
de luiz bras


Lançamento da novela Não chore, de Luiz Bras, a partir das 18h30. Antes, haverá a palestra "Transcendência: encontro com a ficção fantástica" (contrapartida ProAC 2015), gratuita. Dia 19 de novembro, das 16h às 18h, no Patuscada — Livraria, Bar & Café: Rua Luiz Murat, 40 - Vila Madalena.




no rio de janeiro
a feijoada completa e outras crônicas,
de matthew shirts







tributo a mileto,
de hamleto stamato


Hamleto Stamato homenageia Mileto
40 anos depois de sua morte

O pianista recupera o trabalho do pai gravado numa
fita cassete Basf-60 e realiza o sonho de tocar com ele

18 de novembro | sexta-feira | 21h | no TribOz

O pianista, compositor, arranjador e produtor musical Hamleto Stamato, faz uma emocionante homenagem a seu pai que faleceu em 1976, quando ele tinha apenas oito anos de idade, ao recuperar tecnicamente uma fita cassete gravada pouco antes de sua morte e guardada desde então.

O CD Tributo a Mileto chega ao mercado agora em 2016, ano que se completa 40 anos de morte do seu pai que também se chamava Hamleto Stamato. Conhecido como Mileto, ele foi um brilhante saxofonista e flautista, que integrava as bandas de Hermeto Pascoal e Martinho da Vila nos anos 70.

O sonho de gravar este CD só foi realizado no ano passado, por meio do sistema de financiamento coletivo. Mas foi em 1997 que Hamleto conseguiu digitalizar as sete composições do seu pai, gravadas informalmente, apenas a título de registro, em 1975 numa fita cassete. Nela, Mileto tocava a harmonia no violão e o seu amigo Tião tocava as melodias no trombone. O pianista utilizou essa fita como base e assim conseguiu realizar o sonho de tocar com seu pai e mostrar um pouco da obra dele.

Além das sete composições de Mileto, que não tinham nome e foram batizadas como "Pai 1", "Pai 2", "Pai 3", "Pai 4","Pai 5", "Pai 6" e "Pai 7",  o Tributo traz as autorais de Hamleto Stamato: "Tio Walter", "Pro Zé Romeu", "Mãe Ana" e "Samba pro pai". Na faixa "Pai 5", Hamleto deixou a introdução apenas com o áudio da fita original, onde pode-se ouvir a voz do pai, na contagem para a gravação.

Mileto no violão, Tião no trombone e Hamleto Stamato (que participa das onze faixas), juntaram-se a outros grandes nomes da nossa música neste projeto. Entre eles o mestre Raul de Souza (trombone), Widor Santiago (sax tenor), Altair Martins (trompete), Idriss Boudrioua (sax alto), Erivelton Silva (bateria), Ney Conceição (baixo), Robertinho Silva (percussão), Nelson Faria (violão). O CD conta ainda com o quarteto de cordas formado por Felipe Prazeres e Márcio Sanches (violinos), Ivan Zandonade (viola) e Marcus Ribeiro (cello), tendo Vittor Santos no trombone e na arregimentação das cordas e regência.

Além de assinar os arranjos e tocar, Hamleto Stamato fez a produção, a digitalização do áudio original (fita cassete basf-60)  e a mixagem e masterização. Nani Palmeira fez a edição de click (áudio original) e Amaury Machado, a limpeza de ruídos (áudio original). O projeto gráfico é de Sergio Richiden.

Este rico e sensível trabalho tem sua história contada pelo próprio Hamleto no encarte: ..."Esta é a concepção deste trabalho, onde posso mostrar as composições do meu pai, sentir que ele está presente tocando e gravando comigo e assim ligados espiritualmente na eternidade. Pai, muito obrigado por esta herança que você me deixou".

Sobre Hamleto Stamato
Filho do saxofonista e flautista homônimo, que integrava a banda de Hermeto Pascoal, Hamleto formou-se Bacharel em Piano pela Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro, e fez cursos de aperfeiçoamento técnico com os  professores Luiz Antonio Gomes, Sônia Maria Vieira e curso de harmonia e arranjo com o Maestro Vittor Santos.

Iniciou sua trajetória profissional no final dos anos 80 e, desde então, é reconhecido como um dos mais talentosos pianistas de sua geração, tendo tocado com ícones como Claudia Telles, Tim Maia, Danilo Caymmi, Rosa Passos, Pery Ribeiro, Marisa Gata Mansa e Leny Andrade. Com inúmeras apresentações e shows no exterior, e grandes produções em estúdio, vem projetando seu nome em diversas áreas, inclusive, como arranjador e produtor. Em 2005, foi produtor musical e arranjador do programa Fama, da Rede Globo e trabalhou no programa Estação Globo como pianista e arranjador.

Em 2003, lançou seu primeiro trabalho solo, o Speed Samba Jazz, que logo se transformaria em série, com cinco volumes gravados. A série recria a atmosfera dos trios de samba jazz do final da década de 60. E entre essa trajetória, em 2009, gravou o seu primeiro DVD, Gafieira Jazz, que lhe rendeu uma turnê na Europa com apresentações na Midden em Cannes, passando por doze países com cerca de dezoito concertos em festivais e clubes de jazz.

A série Speed Samba Jazz teve seu Volume Três indicado ao prêmio Tim em 2007, na categoria Melhor Grupo Instrumental.

CD Tributo a Mileto
Distribuição: Tratore
À venda nas melhores lojas, em mais de 100 plataformas digitais ou no site: www.hamletostamato.com.
Preço do CD:  30,00

Serviço
Hamleto Stamato lança o CD Tributo a Mileto
Com Hamleto Stamato ao piano, Augusto Mattoso no baixo e Victor Bertrami na bateria
Local: TribOz - Rua Conde de Lages, 19 - Lapa. Tels.: (21) 2210-0366 | 99291-5942
Data: 18 de novembro de 2016 (sexta-feira)
Apresentação: 21h
Couvert artístico: R$ 30,00




24ª paixão de ler
margens do rio: a cidade entretempos
com rafael freitas da silva &
alexandre kostalis
[mediação: luisa benevides]


24ª Paixão de Ler
Bate-papo literário sobre as origens, memórias e
imaginários do Rio na Biblioteca de Botafogo

Como parte da programação da 24ª campanha Paixão de Ler, o encontro Margens do Rio: a cidade entretempos vai reunir, no dia 22 de novembro (terça-feira), a partir das 19h, na Bibioteca Popular de Botafogo – Machado de Assis (Rua Farani, 53), os autores Rafael Freitas da Silva, autor de O Rio antes do Rio (Babilônia Cultura Editorial) e Alexandre Kostolias, autor de Rio em Seis Tempos (Jaguatirica), para um bate-papo literário sobre as origens, memórias e imaginários da cidade. A conversa será mediada pela escritora e colunista do site Boletim Leituras, Luisa Benevides, e contará com um intérprete de libras. A atividade é gratuita e tem classificação etária a partir de 14 anos.

O autor Rafael Freitas da Silva trará para o debate curiosidades sobre a origem e desenvolvimento da cidade, desde as aldeias ancestrais, a história do primeiro carioca e dos exploradores, conquistadores e moradores pioneiros, a disputa entre portugueses e franceses, a guerra contra os nativos, até as batalhas que marcaram a fundação do Rio de Janeiro. Os fatos históricos fazem parte de seu livro-reportagem Rio antes do Rio, que conta com textos de capa assinados pelo historiador Luiz Antonio Simas, além dos jornalistas Sidney Garambone e Pedro Bial.

Em contraponto a não ficção, o autor Alexandre Kostolias, permitirá uma viagem no tempo e no imaginário da cidade e da figura do carioca por meio de seis contos, reunidos no livro Rio em Seis Tempos. Com um humor sarcástico e crítico, Kostolias retrata as maravilhas e infortúnios de um mesmo Rio, em diferentes épocas. A maioria dos contos foi inspirada em fatos reais, que o próprio autor presenciou ou em personagens que teve a sorte de conhecer, além de uma vasta pesquisa que realizou sobre os costumes e vida no Rio durante o período colonial e tecnologias do futuro. O último conto se trata de um sci-fi, no qual o autor prevê o Rio de 2065, ano do Quinto Centenário da cidade.

A atividade é uma realização do site Boletim Leituras, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

24ª Paixão de Ler
A campanha Paixão de Ler é realizada desde 1993 pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro com uma extensa e variada programação voltada ao incentivo à leitura.  O tema deste ano é Um Rio de Literatura — as marcas do tempo. De 18 a 26 de novembro, várias atividades culturais com múltiplas linguagens farão parte da programação da campanha, que ocupará diversos espaços públicos como bibliotecas populares municipais, centros, teatros e lonas culturais, arenas cariocas e outros locais. Clique aqui e confira a programação completa.

Serviço
24ª Paixão de Ler: Margens do Rio: a cidade entretempos
Local: Biblioteca Popular de Botafogo – Machado de Assis (Rua Farani, 53 - Botafogo)
Data: 22 de novembro de 2016 (terça-feira)
Horário: 19h
O bate-papo contará com interprete de libras




tempos quase modernos,
de dhenni santos


©maira cassele

O cantor e compositor Dhenni Santos
apresenta o show Tempos Quase Modernos

17 de novembro | quinta-feira | 21h | Teatro Solar de Botafogo

O novo show de Dhenni Santos, Tempos quase modernos, tem direção artística do cantor carioca João Pinheiro e a direção musical de Léo de Freitas. Este trabalho foi inspirado na canção de Roberto Mendes e Capinam, Tempos quase modernos, que acabou dando nome ao espetáculo. "Nós preparamos um roteiro musical que aborda temas relativos à inquietação causada pelo descompasso entre as evoluções da tecnologia e das relações humanas", comenta Dhenni Santos.

No repertório estão presentes, além de Tempos quase modernos, músicas de Caetano Veloso (Peter Gast), de Arrigo Barnabé (Londrina), de Gershwin (Summertime) e de Eurythmics (Sweet Dreams). De sua autoria está A verdadeira paz, em parceria com o compositor paulista Sonekka, entre outras canções.

Dhenni Santos sobe ao palco do Solar de Botafogo acompanhado apenas pelo seu diretor musical que é multi-instrumentista: Léo de Freitas vai tocar piano, teclado e acordeon e, ainda, fazer a programação eletrônica. A participação especial fica por conta da cantora Dani Calazans.

Sobre Dhenni Santos
Natural de Bom Jesus do Itabapoana, interior do Estado do Rio, Dhenni Santos é cantor, violonista, professor de canto, arranjador e compositor. Iniciou sua carreira em 1998, quando criou o grupo vocal Tenkitimbrá. Em 1999, fundou a Fino Trato, gravando no ano seguinte o primeiro e único CD desta banda. Um marco para o artista foi a sua participação em 2008, juntamente com Renato Braz, Toninho Ferragutti, Tânia Bicalho e Luhli, no show de lançamento do CD do compositor mineiro Luizinho Lopes, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Sua estreia em disco foi em 2010 com o CD Do Mundo (Mills Records) ainda usando a grafia original de seu nome, Denilson Santos. Do Mundo conta com quatro músicas de sua autoria em parceria com as compositoras Luhli e Maria Olívia, entre outras de grandes artistas da nossa música. Em 2014, já assinando Dhenni Santos, lançou Pedra de Rio, um disco totalmente dedicado ao repertório composto pela dupla Luhli e Lucina. Lançado também pela Mills Records, esse trabalho lhe rendeu diversas críticas positivas da imprensa especializada. Além de várias apresentações no Rio de Janeiro, Dhenni já mostrou sua música em outros Estados como São Paulo e Minas Gerais. O cantor apresentou-se também no exterior, no Studio des Rigoles em Paris.

Serviço
Dhenni Santos no show Tempos Quase Modernos
Direção João Pinheiro
Direção musical Léo de Freitas (piano, teclado, acordeon e programações)
Convidada especial Dani Calazans

Data: 17 de novembro, quinta-feira, às 21 horas
Local: Teatro Solar de Botafogo (Rua Gal Polidoro, 180 - Botafogo). Tel: 2543-5411)
Ingressos R$ 70,00 (inteira) e R$35,00 (meia)
Classificação: 16 anos




em olinda
zeca baleiro







em belo horizonte
o inverno e depois,
de luiz antonio assis brasil







marcel duchamp — por uma ontologia
da arte: uma indagação filosófica,
por luiz flávio







faísca
mercado gráfico