17 de mar de 2016

em são paulo
lambe-lambe,
de sérgio fantini



O livro Lambe-Lambe, do escritor Sérgio Fantini (desenhos de Guga Schultze), terá dois lançamentos na cidade:
·          dia 19, sábado, no Bar Patuscada, a partir das 16h [Rua Luís Murat, 40 - Pinheiros];
·          dia 20, domingo, na Casa Amarela, a partir das 15 h [Rua Julião Pereira Machado, 07 - São Miguel Paulista]. 



em belo horizonte
5ª bienal do livro de minas


©washington alves | light press

Contagem regressiva para a 5ª Bienal do Livro de Minas
Câmara Mineira do Livro e Fagga | GL events Exhibitions lançam evento e
anunciam novidades durante a comemoração dos 45 anos da CML

A Bienal do Livro de Minas chega a 5ª edição cheia de novidades e prepara uma programação com novas atividades para todos os públicos. Além de manter atrações consagradas como o Café Literário, a edição de 2016 promete transformar Belo Horizonte na capital nacional da literatura entre 15 e 24 de abril. Com previsão de 160 expositores e público esperado de 260 mil pessoas, a Bienal será realizada no Expominas e terá o slogan "Bienal do Livro de Minas 2016: muitas histórias para contar".

O evento é oficialmente apresentado com o anúncio das primeiras atrações da Bienal durante a comemoração dos 45 anos da Câmara Mineira do Livro (CML), parceira da Fagga | GL events Exhibitions na realização da Bienal.

Entre as novidades desta edição, está a curadoria do Café Literário que fica a cargo do escritor, jornalista e editor Rogério Pereira. Ele é o fundador e editor do jornal literário Rascunho e também diretor da Biblioteca Pública do Paraná desde 2011. Em 2013, lançou seu primeiro romance pela Editora Cosac Naify, Na escuridão, amanhã.

Consolidada como um dos principais eventos de literatura, cultura e entretenimento de Minas, a grande festa do livro recebeu em sua última edição, em 2014, público de 260 mil pessoas, sendo 46 mil estudantes, ao longo de 10 dias. Esse sucesso é reflexo de uma das principais marcas da Bienal do Livro de Minas, em especial, da programação cultural: a inovação. Por isso, os organizadores desta edição vão ousar mais uma vez, oferecendo aos visitantes novas atividades e uma grade de eventos diversificada e dinâmica, para aproximar ainda mais os leitores do universo dos livros, em todas as faixas etárias e perfis de público.  

O objetivo dos organizadores da Bienal é trazer novas experiências ao público e cada espaço contará com uma curadoria própria, de acordo com o conceito da atração.  "Nossa intenção é unir o que já temos de consagrado e é sucesso há quatro edições com novidades", conta a diretora de Negócios da Fagga, Tatiana Zaccaro. As novidades da programação cultural contemplam três novos formatos: Fórum de Educação, Espaço Geek & Quadrinhos (focado em HQ e livros geek, como ficção científica, sagas e fantasia) e Quintal de Histórias – atividade para o público infantil, que irá homenagear o escritor e poeta Manoel de Barros, autor de "Meu quintal é maior do que o mundo". 

Seguindo o sucesso da literatura para adolescentes, conhecida no mercado como young adult, que vem angariando um número expressivo de jovens leitores e impulsionando lançamentos de novos autores e livros, o Conexão Jovem retorna à grade da Bienal, com número de sessões ampliado. "Vamos evidenciar a programação voltada para o público jovem, que hoje é um grande consumidor de literatura, incentivado por novos autores e por outros meios de narrativas como games, YouTubers, internet, etc", afirma Tatiana Zaccaro, destacando o total alinhamento da atração com o esse novo cenário.

Já a programação do Café Literário está sendo pensada levando em consideração a diversidade literária do Brasil. "Teremos uma programação plural, reunindo autores consagrados, best-sellers, escritores da nova geração, discutindo temas relacionados aos livros, à literatura e à atualidade do país", afirma o curador da edição desse ano, Rogério Pereira. "A Bienal de Minas será um reflexo contundente da riqueza literária e cultural brasileira", acrescenta.

Na avaliação da presidente da Câmara Mineira do Livro, Rosana Mont'Alverne, a Bienal do Livro de Minas já se consolidou como o mais importante encontro literário da capital mineira. "É o evento mais esperado e o momento de encontro entre todos os participantes do mercado editorial brasileiro", enfatiza, ressaltando que a Bienal representa uma grande oportunidade para negócios e contato com autores e editores.
 
Sobre a Fagga | GL events Exhibitions
Referência em promoção e organização de feiras e eventos no Brasil, a Fagga l GL events Exhibitions está no mercado há meio século e é responsável pela realização de mais de 20 feiras por ano no país. Desde 2006, faz parte de um dos maiores grupos do setor de eventos no mundo, a francesa GL events. A multinacional é a única da América Latina a trabalhar em toda cadeia da produção de eventos: da concepção, administração de espaços, design, construção, fornecimento de estrutura, serviços de catering até hospedagem, organização de exibições e produção de brand events.


SERVIÇO
5ª Bienal do Livro de Minas 2016
Data: 15 a 24 de abril de 2016
Local: Expominas | Avenida Amazonas, 6030 - Bairro Gameleira
Fagga | GL events Exhibitions | www.fagga.com.br
GL events Brasil - www.gleventsbrasil.net
  


em curitiba
ilíada de homero
direção octavio camargo





na web
gute gute, barriga experimental de repertório,
de silas corrêa leite


Lançado, pela Editora Autografia do Rio de Janeiro, o vigésimo livro do escritor Silas Corrêa Leite, o romance Gute Gute, Barriga Experimental de Repertório. É a mais nova "loucura literária" do polêmico (e premiado) literato itarareense (poeta, ficcionista e blogueiro premiado), Silas Corrêa Leite, tachado pelo Antonio Abujamra (Programa Provocações/TV Cultura de SP), e pelo site Capitu de "O Neomaldito da Web", e que hoje está publicado em mais de 800 sites, vários links de renome, até na América espanhola, Europa e África.

O escritor, já autor de outros livros, todos "diferenciados", por assim dizer, esteve em crise de saúde, de anos atrás até mais recentemente, após perder a matriarca querida em Itararé, tendo vivido tempos difíceis, mas, ainda assim e por isso mesmo, profícuo criador na sua "dorpoesia", claro, e, ao bolar este romance "louco", também por assim dizer, parece que ao escrevivê-lo se "livrou" de  tamanha tristeza e angústia. Ao escrever Gute Gute colocou toda amargura para fora de sua orfandade sofrida, daí surgindo, nascendo, aperfeiçoado enquanto romance e enquanto literatura de primeira, Gute Gute, Barriga Experimental de Repertório. Sorte dos leitores dele, e do grupo Leia Silas, que no Facebook beira cinco mil amigos.

O que uma criança na barriga gestora da mãe sente, como é que é a rotina do trono umbilical e seu entorno, as reinações da grávida chorando de barriga cheia, como o baby se comunica com a mãe dentro da barriga adjacente, como é que ele pode se comunicar com outras crianças superdotadas ou sensíveis em outras barrigas-valises passantes, em berçários-ninhais. Com amor, humor, entre alegrias e sofrências, o autor destila-se como ele mesmo fosse o filho da mãe, bendito fruto, e contasse desde a fase intrauterina de uma criança, até arrebentar-se na barriga do mundo. O hormônio da mãe, refletindo no baby, as relações e afetos maternos entronizados para todo o corpóreo em formação, pelo duto do cordão umbilical, feito uma navezinha em formação acoplada no planeta barriga.

O leitor vai se encantar, se emocionar, se sentir criança de novo, se colocar no lugar do escritor, no lugar do bebê, de onde talvez nunca queria ter saído. Quem tem mãe não tem medo, disse Henfil. Mãe é Mãe, Coca Cola é Coca Cola, diz o mote ridente das redes sociais. Pois o escritor também, filho da mãe, conta como é ou como poderia ser (salvo pela imaginação?); dá voz ao baby, que, sim, antes de vir à luz, quer falar, quer dar à luz a sua interpretação de meio, gestão e expectativa de vida. Vivemos mesmo só nove meses? Ao ler o livro você vai se sentir na pele da mãe atiçada, como enjoos, com desejos; na pele do bebê atiçado, cheio de perguntamentos e quireras de entendimentos espaciais, e precoce; na pele do pai babão e manteiga derretida, corinthiano, e, claro, só podia, também na pele do escritor, em mais uma obra com a sua marca, a sua cara, a sua especialização entre surrealismo, realismo fantástico e invencionices fora do convencional, quando não assustadoramente criativas. Ser mãe é padecer no paraíso, disse o poeta. Ser filho é contar lorotas, peraltices, sentires, pensares e falares deste o ventre?

Este é o novo livro maluco beleza, essa é a obra. Sinta as contrações do parto do livro e do nenê espeloteado e traquinas, transpolar e hiperativo desde a fase barrigal. Já pensou? O que o bebê quer dizer, o que ele sente, pensa, imagina, cria, e espera. Entre sem bater. Tem gente. Bem-vindo à Barriga Experimental de Repertório de Gute Gute.

O livro já está à venda no site da editora, aqui.