23 de nov de 2015

em belo horizonte
sobras completas,
de jovino machado




Sobras Completas (Estúdio Guayabo, 2015) reúne os dez títulos lançados pelo poeta Jovino Machado entre 1993 e 2013, além de trazer uma seleção de inéditos em livro. O volume conta ainda com textos de Joca Reiners Terron, Luciana Tonelli e Mário Alex Rosa, além de apresentação de Daniel Bilac.

O lançamento acontecerá no dia 26 de novembro, de 19 h às 21h30, no Café 104, Praça Rui Barbosa, 104 - Centro.

Ao longo do mês, leituras gravadas pelo autor serão disponibilizadas em https://goo.gl/iZJLaH.

Sobras Completas, Jovino Machado: esse livro é realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte. Fundação Municipal de Cultura.





em campinas
vozes femininas silenciadas,
por célia musilli e raffaella fernandez








em são paulo
enquanto danças,
de allan fonseca




O Autor
Allan Fonseca é paulistano e tem 29 anos. Formado em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo, cursou medicina por quatro anos na Unicamp. É autor também de A paisagem vem de dentro, publicado pela Editora Scortecci, em 2011. Participou, como dançarino, dos espetáculos Anatomia do Desejo (2007) e Kashmir Bouquet (2007), de Ivaldo Bertazzo. Escreveu para o espetáculo Volúpia (2010) e compôs o roteiro de Garimpo (2012), ambos dirigidos pelo coreógrafo Rubens Oliveira e encenados pelo Núcleo Pélagos de Dança, do Projeto Arrastão. Seu texto "Estereótipos" inspirou a coreografia homônima, de criação do Coletivo Las Caboclas, encenada por Renata Daibes, na II Mostra de Intérpretes Criadores — Solos, do Núcleo Pedro Costa (2015). Desde 2008, mantém atualizado o blogue A paisagem vem de dentro [allanbff.blogspot.com], que inspirou a concepção de sua primeira obra literária.


ENQUANTO DANÇAS
Allan Fonseca escreveu o poema que intitula o livro em 2011, na doce inquietude da aurora urbana, observado por um bem-te-vi que, impaciente, bicava o vidro da janela do escritório, reclamando atenção. Enquanto danças, segunda publicação do autor, é uma obra sobre o tempo — ou melhor, sobre um tempo. Um tempo que é de saudade, mas também presença; de rio, mas também vapor; de périplo, mas também pose; de perda, mas também esperança. De um corpo que, fiel à essência da dança que executa, expande-se no espaço até ele, corpo, ser o tempo presente e ilimitado em que tudo parece possível. O templo em que se ora pelas dádivas de agora. Assim como em seu primeiro livro, o escritor alterna-se entre crônicas e poemas, prosa e verso. A opção visa conferir à obra o ritmo e a cadência do tempo subjetivo de quem dança, o que faz, da leitura dos textos, uma experiência igualmente profunda no domínio sensorial.





no rio de janeiro
cep 20.000 novembro








no méxico
encuentro internacional de poesía
ciudad de méxico