27 de mai de 2014

no rio de janeiro
alarme, livro póstumo
de iosif landau




voa, voa, canalha
[iosif landau]

não sei e se soubesse de nada adiantaria,
vivo uma catástrofe mental, furacão anal,
Macbeth e Hamlet na mesma cama:
"to be or not to be? to be", com certeza dois viados,
entretanto, nada igual nem mesmo semelhante,
num heroico brado o tarado bardo vocifera:
"vá dormir, durma profundamente e esqueça essa merda!".

e só pra contrariar, visto asas, voo sobre a cidade,
panorama de telhados fumegantes, piscinas suspensas,
favelas elegantes, antenas Lucy in the Sky.
levado por corrente ascendente, mergulho pro asfalto,
— um pombo assustado pelas buzinas e tiros de bazuca —
e ouço uma porta bater numa casa da Vila na Penha,
que é a porta de entrada pros meus sonhos de rato alado,
e multicoloridos amores desfalecidos, insistindo em sânscrito:
"deitar com seu rosto enterrado em nossas vulvas podres".

com muito cagaço e infinita coragem, outro voo repentino,
estou fazendo loopings sobre o oceano,
cazzo, onde está García Lorca, o heroico homossexual,
"y el niño que enterraron esta mañana lloraba tanto
que hubo necesidad de llamar a los perros para que callase".

a gravidade em gravidade me leva pra baixo,
me faz lembrar do amor entre homens e mulheres,
pais e filhos, irmãos, amigos, que bom que era
um beijo de paixão entre velhos desdentados
e o abraço de tesão de carnes flácidas.

os deuses libertinos por libidinagem decretaram:
"abandonado e livre nunca mais acordará
vendo seu rosto triste e lívido,
nessa vasta ilusão de esperma líquido".

meus olhos se reviram, minhas pálpebras se agitam,
se abrem como asas sobre o iceberg mundo,
e esses rabiscos na areia: seriam seu rosto, minha amada?
minhas mãos não desenham morte nem desejo,
meu inexistente reinado iça as velas,
inalo o calor da minha imagem sacra, sacripanta.





na estação das letras
gabriel garcía márquez: o inventor de fábulas,
por darío henao restrepo




Darío Henao Restrepo é professor da Universidad del Valle (Colômbia), pesquisador de Literatura Colombiana e Latinoamericana, diretor do doutorado em Estudos Afro-Latinoamericanos e do Centro Virtual Isaacs, um portal cultural do Pacífico colombiano. Publicou, entre outros, Imágenes de América, Borges poeta, África está aquí, La negritud en la novela colombiana.

Dia 30 de maio (sexta-feira)
Das 18 h às 20 h
As senhas serão distribuídas 30 minutos antes do início.
A Estação fica na Marquês de Abrantes, 177, no Flamengo.






quantos quadros
exposição de amador perez








em são paulo
matrizes impressas do oral
conto russo no sertão,
de jerusa pires ferreira








coração peludo,
de plínio camillo




O escritor Plínio Camillo e a Editora Kazúa convidam para o lançamento da coletânea de contos Coração Peludo.

Data: 31 de maio
Local: Rua Espártaco, 499 – Vila Romana - Lapa
Horário: das 16 às 20 h





em belo horizonte
hoje tem clube? org. flávia abreu,
geisa mara batista e mônica lages